Os anos de 2020 e 2021 foram difíceis para todos, tanto para as pessoas como para as empresas em todo o mundo Confrontadas com uma pandemia mundial, as empresas foram forçadas a adaptar as suas metodologias de trabalho, o que acelerou, em vários anos, os seus esforços de transformação digital. Embora algumas das medidas que foram tomadas possam ser temporárias, outras causaram uma mudança permanente no “business as usual” de grande parte das organizações, e as empresas de outsourcing de IT não são exceção.

 

Ao analisarmos de perto estas tendências comerciais em outsourcing de IT para 2022, conseguimos identificar quais foram impulsionadas pela COVID-19?

 

1. MÃO DE OBRA REMOTA OU HÍBRIDA

Embora a popularidade do trabalho remoto tenha vindo a aumentar em alguns países nos últimos anos, este deu um enorme salto durante 2020, uma vez que as empresas por todo o mundo foram forçadas a adotar políticas de teletrabalho numa tentativa de conter a pandemia. Mas o que começou como uma medida temporária está agora a mostrar-se cada vez mais como o futuro do trabalho na grande maioria das organizações.

 

A palavra chave é “flexibilidade”, à medida que o modelo de trabalho híbrido ganha ímpeto. De acordo com um inquérito por via eletrónica da Eurofund, mais de 75% dos funcionários da UE querem continuar a trabalhar a partir de casa após a COVID-19, combinando o teletrabalho com a sua presença no local de trabalho. E se existe um setor onde é possível o trabalho remoto ou híbrido é certamente em IT. As candidaturas de emprego para trabalho remoto têm mais que duplicado desde março de 2020, sendo que a área da tecnologia é uma das três mais procuradas neste segmento, segundo uma estimativa do LinkedIn.

 

2. FOCO NA CIBERSEGURANÇA

As Nações Unidas relataram um aumento de 600% no número de e-mails maliciosos durante a pandemia e estimam que, em todo o mundo, ocorra um ataque cibernético a cada 39 segundos. Com grande parte dos seus funcionários a trabalhar a partir de casa (e a utilizar as suas conexões de rede pessoais), as empresas encontram-se mais vulneráveis a cibercriminosos.

 

Como tal, a segurança da sua infraestrutura de rede e de dados tornou-se na prioridade principal das empresas de IT, com 68% da grande maioria das empresas a planear aumentar as suas despesas em cibersegurança no seguimento do surto de coronavírus. Quer seja isto ou garantir o cumprimento das normas europeias de RGPD, as empresas irão, muito provavelmente, procurar parceiros externos para obter competência técnica, em vez de dependerem apenas de uma equipa interna.

 

3. MUDANÇA NAS RELAÇÕES DE OUTSOURCING

À medida que as preocupações com a cibersegurança e privacidade de dados aumentam, e a transformação digital se torna numa das prioridades das empresas, os fornecedores de outsourcing de IT são, cada vez mais, vistos como parceiros estratégicos chave, com as empresas a procurarem parcerias a longo prazo com fornecedores de confiança.

 

Além disso, o ritmo acelerado a que o setor tecnológico está a evoluir fomenta o aparecimento de empresas de software mais pequenas e de nicho. No que diz respeito aos grandes fornecedores, estão a investir na criação de equipas especializadas, que oferecem serviços de desenvolvimento de software 360º para os seus clientes.

 

4. AUMENTO DOS PEDIDOS DE SERVIÇOS DE NEARSHORE

A redução de custos sempre foi um fator chave para recorrer a empresas de outsourcing de IT. No entanto, com o papel dos parceiros externos de IT a assumir gradualmente mais responsabilidades no seio das estratégias empresariais do cliente, garantir um serviço de alta qualidade é agora a prioridade na escolha de um fornecedor de IT.

 

Esta mudança representa uma procura crescente e contínua de serviços de Nearshore em países como Portugal, que conta com especialistas em desenvolvimento de software a preços competitivos, infraestruturas TIC de alta qualidade e um fuso horário semelhante, tornando-o assim uma localização atrativa para o estabelecimento de uma equipa remota.

 

5. AUMENTO DA PROCURA DE APLICAÇÕES MÓVEIS E WEB

Uma vez que a maioria dos consumidores em todo o mundo depende sobretudo do seu dispositivo móvel para as suas atividades online, as empresas têm de ter cada vez mais uma mentalidade mobile-first em todos os seus projetos digitais, e os parceiros de IT têm de estar preparados para fornecer soluções satisfatórias. Isto inclui tanto o desenvolvimento como o design e usabilidade, uma vez que os clientes se tornam cada vez mais exigentes no que diz respeito a uma melhor experiência de utilizador.

 

Quer seja através de uma aplicação móvel ou uma aplicação web progressiva, as empresas devem garantir que os seus utilizadores conseguem navegar sem problemas na sua plataforma, se quiserem manter-se competitivos.

Partilha este artigo